Skip navigation

Os telefonemas começam por volta das 16H30min e o assunto é um só: Previsão do tempo. Na próxima hora nós iremos embora do trabalho, para casa, para a faculdade, para o shopping, teatro, casa da sogra pegar a filha… Eu sei que em cerca de 15 minutos terei o mapa completo de chuvas da grande São Paulo.
Saberei onde está chovendo, para que lado vai a chuva, a que velocidade, onde alagou… melhor que qualquer serviço de meteorologia ou site.

Existem duas coisas que chamam a atenção de um Gestor de Riscos em época de chuvas: alagamento e falta de energia elétrica. Todos os outros eventos (arvores caídas por exemplo) são consequências ou efeitos colaterais que, portanto, considero como secundários;

clip_image001Tentaremos sair do escritório. Sei de colegas que ficaram "presos" até as oito horas da noite por pura falta de caminhos. Estou analisando particularmente a região da Av. Luis Carlos Berrini, na zona sul da cidade de São Paulo. Este local recebeu as empresas que migraram do centro da cidade e do eixo da Av. Paulista. A infraestrutura é de ultima geração, tem fibra ótica, nuvem, elétrica estabilizada, internet… tem também hotel, restaurante shopping, bancos, estacionamento… tem chuva também!!! e muita! chuva não é privilegio nem castigo: é apenas chuva. E a Berrini alaga! A Berrini é privilegiada ou tá de castigo?

Um local projetado para ser a meca da tecnologia… enche de água quando chove. Porque não executam alguma obra que resolva este problema? Um piscinão… Será que a prefeitura sabe que alaga?

Vamos tentar equacionar o evento: alagar a Av. Berrini. clip_image001[5]

1. A prefeitura sabe quanto custa um piscinão: obras, desapropriação, sistemas de drenagem…
2. Quantos dias por ano chovem a quantidade suficiente para alagar? A prefeitura também sabe porque tem as estatísticas históricas da cidade: Eu vou supor que chovem 12 dias em 365 (360 para arredondar as contas) ou cerca de 3% de todos os dias de uma ano.

Probabilidade: baixa
Impacto: alto. Quanto alto?

Pergunta da produção do programa: quanto dá de prejuízo um dia de chuva com alagamento?
Ninguém sabe!

clip_image001[7]Quatro horas imobilizado no escritório? Duas horas preso no shopping? Seu cliente não pode chegar? Você não pode sair para visitar o cliente ou fornecedor? Faltou energia elétrica? (calculo que o índice de prédios com geradores na Berrini seja próximo de 100%), perdeu o carro na enxurrada? no subsolo do estacionamento?

Se pudermos precificar todos estes valores, e a soma deles for superior à construção de um sistema preventivo de alagamento, a prefeitura executa na hora.
Enquanto isso, é como tentar defender seu orçamento de TI sem o item custos/benefícios. Já perdeu.

Já que perdeu, nos resta aparecer em algumas fotos e muita estatística!

Agora vou profetizar: nos primeiros dias de janeiro de 2010, a Av. Berrini, próxima ao shopping Morumbi irá alagar por algumas horas no fim da tarde. Evitem o local.

Nota: estas fotos são do Luiz Vaz

Anúncios

One Comment

    • unixborges
    • Posted 14/02/2009 at 15:18
    • Permalink

    Ola Andre,
    Aqui em Belém o drama não chega nem perto disso e todo mundo já reclama.

    Essas inundações já comprometeram vários atendimentos (ANS/SLA). Fiquei fascinado pelo Quadski da Gibbs (uma espécie de jet-ski com rodas.)

    Abraços e sucesso!!!

    Atenciosamente,
    Paulo Borges


Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: